segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Como são as baladas na Austrália

Às vezes me perguntam: “Leandro, como são as baladas aí na Austrália?”. Se você pensa que são recheadas de loiros altos e fortes e muitas mulheres com roupa de piriguete se esfregando em geral e todo mundo muito, muito louco, pode deixar seu cavalinho na chuva porque você acertou em cheio! Mas, antes que você corra e compre sua passagem aérea para cá, termine de ler o texto que vou explicar melhor como são as baladas australianas e como o povo se diverte aqui.

Para começo de conversa é proibido beber em local público na Austrália, isso inclui praia, obviamente. Para quem é fã de cervejinha na areia da praia é melhor ir para alguma bem remota ou ser super discreto, assim evita problemas com a polícia. Bebida alcoólica aqui é considerada uma droga, o que não deixa de ser verdade. Só pode comprar álcool em liquor stores ou bares autorizados. No segundo caso não se pode sair do recinto com a bebida. Eu mesmo tentei comprar em um pub uma cerveja importada para dar de presente e não me permitiram sair do local. Joguei meu charme e ainda assim não permitiram, então dei uma carteirada, disse que eu era amigo íntimo da Kate Middleton, aqui na Austrália é mais famosa que a Ivete Sangalo em Salvador. Não funcionou também. As liquor stores fecham à meia-noite, logo, se acaba os bons drinks da sua festa a uma da madrugada, o jeito é beber água da torneira. Pior ainda no estado de New South Wales, lá essas lojas fecham impreterivelmente às 22hrs. Eu mesmo já fui vítima desse horário salafrário em Sydney, quase chorei às 11 da noite no meio da rua pelejando por álcool!! Aliás, sinal de riqueza por aqui é beber vodka! Só de pensar nessa bebida eu fecho os olhos, inclino minha cabeça para trás até tocar no encosto da cadeira e abro ligeiramente meus lábios. Sinto um prazer inenarrável ao relembrar o sabor dessa deliciosa bebida feita de tubérculos... JURO POR DEUS, aqui na Austrália eu como mais caviar sueco do que bebo vodka russa. Sabe quanto custa uma garrafa de Smirnoff? Por volta de 40 dólares!!! Quando digo aos meus amigos aussies que no Brasil com 20 dólares dá para entrar em coma alcoólico de tanto beber Smirnoff eles ficam chocados.

Agora que vocês perceberam que ficar bêbado não é fácil e nem barato, o próximo passo é ir para a balada. Aqui elas começam cedo, algumas 6 da tarde, outras 9 da noite. Não existe balada que começa meia-noite. Ah claro, se começa cedo, acaba cedo também. Dia desses eu fui expulso À VASSOURADAS de uma balada às 3 da manhã porque ela fechou! E eu ainda estava no mood de sassaricar. Entrar na balada também não é algo simples. Primeiro que é normal ser barrado na portaria, eu mesmo já fui algumas vezes. Eu moro em Gold Coast, uma cidade praiana, e o povo daqui anda praticamente pelado na rua: descalço, sem camisa ou de biquíni. Em qualquer lugar mesmo. Mas, não pode ir para a balada de bermuda! Tem que ir todo arrumadinho, nem mesmo de running sneakers.  Há lugares que exigem sapato social. Mas, por exemplo, em Sydney que é uma cidade civilizada (Gold Coast é terra de um bando de caipiras e jecas), eu fui a algumas baladas e tinha gente de chinelo de dedo! Havaianas! Por o povo daqui ser desencanado demais, as baladas exigem dresscode. Ah, essas sanções são apenas para homens, as mulheres vão vestidas como quiserem (e se quiserem).

Ok, você está vestido adequadamente, tem seu ID em inglês, agora só provar para o segurança que você não está bêbado! Sim, gente visualmente bêbada não entra nas baladas. Não tem conversa. E se o segurança não for com a sua cara e disser que você não entra, melhor nem argumentar. Vai para casa ou procure outra balada. Eu já entrei numa balada visualmente bêbado e sem passaporte. Não sei exatamente como isso aconteceu, mas aconteceu. Outra vez eu estava na fila da mesma balada, a SinCity, e um garotinho de uns 19 anos muito bêbado veio me pedir gentilmente para cortar minha fila. Ele teve a péssima ideia de querer me abraçar, sendo que ele estava suado. Odeio gente suada. Eu acenei para o segurança, nem precisava na verdade, o garoto não conseguia parar em pé. Coisa de 10 segundos, 3 policiais apareceram e tiraram o garoto da fila no tapa. Literalmente no tapa.

A regra de não entrar bêbado na balada é extensiva a não ficar visualmente (muito) bêbado na mesma. Quem me conhece sabe que sou do tipo televisão antiga na balada, não tenho controle. Ainda mais se saio mal intencionado de casa, ou seja, querendo ficar bêbado. Obviamente já fui expulso da balada por estar bêbado. Foi no mesmo dia que entrei sem passaporte. Eu estava transtornado, expulsei todas as biscates de uma espécie de queijo, que fica no meio da pista e no alto, onde elas vão lá de saia extremamente curta rebolar e mostrar a calcinha, pendurei-me naquele negócio, fiz umas danças bem vulgares/esquisitas e olha que demorou bastante, mas um segurança me pegou pelo braço, sem me dizer uma palavra sequer e me levou até a rua. Fui embora sorrindo e mandando beijos para a balada inteira. Não resisti à expulsão e nem quis entrar de novo, fui embora mandando áudios constrangedores para os meus amigos no Brasil.

Uma das razões de bebida ser cara e de difícil acesso na Austrália é que os australianos têm o hábito de ficarem violentos ao beberem. Os brasileiros e latinos em geral quando ficam bêbados são mais amorosos, querem fazer amor, dançar e etc. Já os australianos ficam violentos, querem brigar. Eu já vi algumas brigas, não é nada legal, em geral australianos são grandes e fortes, então briga entre eles é sinônimo de muito sangue. Eu mesmo tenho mais medo de apanhar na balada do que ser devorado por um tubarão em Byron Bay. Só deixando claro, normalmente aussies são extremamente amigáveis e gente boa, o problema é quando bebem.

Outra coisa que me desaponta são os drinks ou mixers. Por lei os bares não podem vender um drink com dose dupla, logo se você pede um mixer (destilado + soft drink) é basicamente muito gelo + um shot (sem chorinho e sem chance de pedir um duplo) + muito refrigerante. Para ficar alegrinho são necessários muitos drinks. Outra coisa que eu odeio é descobrir as opções e preços. Nunca vi um cardápio de bebida nenhuma balada na Austrália. Acabo sempre pedindo o que conheço. Fora que se você pergunta o preço de uma bebida nenhum bartender sabe, ele precisa consultar o sistema. Dia desses paguei 9 dólares numa Corona porque fiquei com vergonha de dizer que achava muito cara e preferia uma bebida mais barata.

Todos os bartenders ou quaisquer pessoas que manuseiam ou vendem álcool na Austrália precisa fazer um curso de responsabilidade sobre álcool. Eu mesmo tive que fazer, é até ligeiramente interessante. O estabelecimento que vende o álcool tem responsabilidade em quase todas as merdas que o consumidor fizer enquanto estiver bêbado. Outra coisa interessante é o staff das baladas. A SinCity, por exemplo, só tem barwomen e todas usam lingerie sensual. Tem lugares que tem topless barmen, ou seja, homens musculosos sem camiseta. Fora os showzinhos, o dj chama a mulherada e algumas sobem no palco por espontânea vontade para um concurso da garota mais hot da noite. Já vi alguns tetalelês. Muitas australianas bebem e devem sentir calor nos peitos e por isso bota pra fora. A pista de dança também é algo bem quente. Praticamente não se vê beijo na boca, mas twerk é algo tão comum como respirar. A mulherada rebola na cintura (estou tentando não ser muito enfático, mas vocês sabem que não estou me referindo exatamente à cintura) de qualquer estranho. Um dia fiz um teste, estava na pista e me enganchei na bunda de uma desconhecida. Dançamos uma música inteira e ela sequer olhou para trás para saber quem estava a encochando. Claro que esse comportamento é mais comum em baladas mais safadinhas, domingo fui a uma taverna e o povo dançava como se estivesse numa prece cósmica de malucos belezas. O povo se jogando no chão, algumas meninas de microssaia praticamente dando estrelinha na pista de dança. A ideia não é ser sensual, mas apenas se divertir.Outro dia eu estava em uma balada em Brisbane, começou a tocar uma música desconhecida para mim, uma espécie de country music, mas todos os aussies conheciam e vibraram. De repente, todos os garotos da pista arriaram as calças e até o final da música dançaram apenas de cuecas! Essas loucurinhas não são tão raras por aqui.

Com tudo isso citado, eu só posso dizer que sinto saudades das baladas brasileiras. Comprar duas doses de Absolut, rachar um Red Bull com um amigo, dançar em sintonia com a pista e dar uns beijinhos. Eu ainda não achei uma festa ou balada que eu pense “Puta que pariu, que que foda!”. Tenho esperanças que isso aconteça em Melbourne. 

2 comentários:

Fabio Franco disse...

Texto enorme pra um blog, mas tive paciência e li, cara...eu morri de rir! ahuuahhuahuahuuhahuahua

Eliodesena Sena disse...

hahaha da hora, seu texto. Valeu!